Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Portugal Litoral

Dizem que Portugal é lindo, então decidi certificar isso eu mesmo. Não que eu precisasse ver para crer, mas precisava ver para sentir.

Portugal Litoral

Dizem que Portugal é lindo, então decidi certificar isso eu mesmo. Não que eu precisasse ver para crer, mas precisava ver para sentir.

Percurso 7 | Sines - Porto Covo

 

_Senhor, boa tarde!
_Boa tarde.
_Onde apanhamos o autocarro para Sines?
_Próximo ao mercado.
_E onde fica o mercado?
_O mercado fica onde vende peixe, carne e verduras.
… 


_Olá, boa tarde! Gostaríamos de comprar dois bilhetes do autocarro para Sines.
_Boa tarde. E qual horário preferem?
_Quais os horários disponíveis?
_Somente às 17:25h.
… 


Por um momento pensei que voltar de Porto Covo à Sines de autocarro seria mais complicado que ir andando de Sines à Porto Covo, mas não, apesar de tudo, graças a simpatia prestativa dos cidadãos de Porto Covo, que no domingo, dia 18/02/2018, aproveitavam pacatos, o belo dia de sol nos jardins e praças da cidade, correu tudo bem. Aliás, tudo no percurso correu bem, ou quase tudo, não fossem as calças do meu amigo Rômulo Martins, companheiro nessa caminhada, rasgarem quase no final. Mas não foi grave, digo eu, penso até que lhe deu mais liberdade aos movimentos e frescor nas partes baixas.

 

Rômulo Martins

Rômulo Martins

Rômulo Martins

 


O dia começou com bons presságios, conseguimos chegar ao ponto de partida à hora exata planeada, 8:00h. O tempo estava perfeito: céu limpo, temperatura agradabilíssima e quase nenhum vento. E assim continuou durante todo o trajeto.

 

 Ponto de Partida: Praia do Canto Mosqueiro - Sines


De Sines até Porto Covo foi, entre todos os percursos feitos, o mais diversificado em termos de terreno. Passamos por trechos de praias, de rochas, urbanos e rurais, por trilhos e trilhas, falésias, mato, rodovias e zonas fabris.

 

Praia Vasco da Gama - Sines

 

Passamos, inclusive, por área industrial de acesso restrito à pessoas estranhas, cercada e vigiada por câmeras de segurança.

Central Termoeléctrica de Sines - EDP

Central Termoeléctrica de Sines - EDP

Central Termoeléctrica de Sines - EDP

Central Termoeléctrica de Sines - EDP

Central Termoeléctrica de Sines - EDP

 

Quando contei a um amigo que nesta caminhada iria acompanhado, ele disse-me assim: 

 

_Com compahia faz-se bem. É mais fácil. Duas cabeças pensam melhor que uma e tu, na realidade, precisas muito mesmo de alguém que pense por ti. 

_

 

Provavelmente eu sozinho daria uma grande volta para não passar na área proibida, mas o Rômulo, responsável por pensar por mim, teve uma ideia genial:


_Já que o aviso diz “Acesso proibido à pessoas estranhas”, se por acaso formos apanhados, é simples, apresentamo-nos. “Olá eu sou o Rômulo e esse é meu amigo Fabrício, muito prazer em conhecer-vos.” Daí deixamos de ser estranhos.

 

Eu não teria sido capaz de pensar nada melhor. 

 

Que proibido que nada, atravessamos a cerca, passamos o local e nem deram conta da nossa presença, grande falta de consideração.

 


É muito bom caminhar na companhia de um amigo porque além de nos ajudar a pensar e a ter ideias brilhantes, temos com quem conversar. Conversamos sobre assuntos diversos, sobretudo  e quase tudo, bobagens. Filosofamos sobre a romântica frase “Se tu fosses um pokemon eu ia te procurar” pichada por algum intelectual ainda desconhecido, num muro no caminho por onde passamos.

 

Se tu fosses um pokemon eu ia te procurar

 

Discutimos sobre a produção de gás da Galp, que a flatulência dos colaboradores deve ser  a principal matéria prima já que o fedor ao redor de um dos complexos da refinaria de Sines é insuportável. É uma pena que esses tipos de indústrias se instalem próximas ao litoral, a poluir e estragar a paisagem além de impedir a passagem de andarilhos.

 

 

18022018-IMG_9041.jpg

Complexo da Refinaria Sines - Galp

 

18022018-IMG_9038.jpg

 Andamos uns 500 metros e tivemos que voltar. Aproximadamente 1km perdido.

 

Também falamos, monologicamente, de mulheres, e nesse caso eu fui o interlocutor ouvinte (sei que parece antagônico, mas é mesmo isso), até porque o especialista nesse tema é o meu amigo que acompanhava-me na caminhada. E apesar de eu escrever mulheres no plural, não foram muitas as que entraram em pauta, mas uma tal Anônima esteve em especial destaque que acredito ter ouvido o nome da fulana mais vezes que o número de rochas nas praias do percurso.

 

18022018-IMG_9024.jpg

 

E por falar em praias, ao avistá-las, tínhamos que nos calar para absorver o impacto brutal da beleza de suas paisagens. Cada uma mais linda que a outra, principalmente as últimas, próximas à Porto Covo.

 

GALERIAS

 

 

Foram 24,5 quilómetros percorridos em 7 horas e 20 minutos e 470 fotos (desta vez com direito a modelo). Esse percurso vai ficar marcado sobretudo pela companhia inestimável do meu amigo Rômulo Martins que espero poder ter novamente em outros, até porque é um dos poucos, senão o único que conheço, com verdadeira coragem e disposição de me acompanhar.